A criação deste Blogue, ideia lançada por António Melo, tem como objectivo divulgar, defender o Sport Lisboa e Benfica e a sua Gloriosa história. Qualquer opinião aqui expressa vinculará apenas o seu autor, Alberto Miguéns.

SEMANADA: ÚLTIMOS 7 ARTIGOS

01/02/2017

Três Canções: Hino (1929), Tema (1954) e Marcha (1975)

01/02/2017 + 5 Comentários
HOJE DE RESSACA APETECE-ME OUVIR TRÊS GRANDES TEMAS MUSICAIS QUE SÃO TAMBÉM MARCOS NO TEMPO: 25, 50 e 75 ANOS DO CLUBE.


Ao Benfica - os artistas de várias áreas e artes - sempre dedicaram grande atenção, reconhecimento e honra. Hoje neste blogue algumas canções que são históricas. E dentro da história do "Glorioso" a história desses temas.

Bodas de Prata: 25 Anos
Quando se aproximou o ano de 1929 e as comemorações do 25.º aniversário do Clube Félix Bermudes decidiu (ou foi decidido) fazer um Hino para o Clube. Mas Félix Bermudes e a sua personalidade são inseparáveis, como é óbvio. Ele e o maestro Alves Coelho (pai) que foram dois dos dez fundadores da actual Sociedade Portuguesa de Autores (SPA) e colaboravam na produção das peças de teatro que eram a sua profissão fizeram o Hino do SLB. Félix Bermudes optou por uma letra de pleno significado remetendo para o passado, pois Félix Bermudes acompanhara o clube desse início não sendo fundador por mero acaso. Nesse dia não estava ou não pôde ir a Belém. Entre 1928 e 1929, pediu ao maestro Alves Coelho uma partitura que transformasse a letra num tema intimista que os atletas pudessem entoar, mesmo em surdina, procurando na letra inspiração para reverter momentos de menor criatividade ou de maior descrença.  A sua filha Cesina contou-me, em finais dos anos 90, que se lembra do pai dizer que foi dele a ideia da legenda "E Pluribus Unum"  (que para ele e fundadores significava "Todos Por Um") inscrita na flâmula com as cores da bandeira nacional que a Águia agarra e eleva para o Céu («Erguendo ao Alto o Nosso Emblema»). Lembrava-se também do pai estar a fazer o Hino. Nascida em 1908 teria cerca de 20 anos. Habituada ao pai pedir-lhe "opinião" (se as tiradas provocavam riso), principalmente nos trocadilhos cómicos que escrevia nos guiões das peças teatrais, era estranho Félix Bermudes não lhe dar nenhuma "deixa". Ela lembrava-se de lhe perguntar que peça era aquela que era segredo. Félix Bermudes dizia que seria segredo, mas até ao aniversário do Clube. Teria de estar concentrado pois tinha data obrigatória para estar pronta. Ao contrário da maior parte das peças que se iam...fazendo! E não havia "deixas para rir" pois era um Hino! Cesina questionou. Um Hino como o de Portugal, os "Heróis do Mar"? Félix respondeu à Bermudes! Sendo do Benfica é mais "Heróis da Bola"!



«Todos por um!» eis a divisa,
Do velho Clube Campeão,
Que um nobre esforço imortaliza,
Em gloriosa tradição.

Olhando altivo o seu passado,
Pode ter fé no seu futuro.
Pois conservou imaculado
Um ideal sincero e puro.

REFRÃO

Avante, avante p'lo Benfica,
Que uma aura triunfante Glorifica!
E vós, ó rapazes, com fogo sagrado,
Honrai agora os ases
Que nos honraram o passado!


Avante, avante p'lo Benfica,
Que uma aura triunfante Glorifica!
E vós, ó rapazes, com fogo sagrado,
Honrai agora os ases
Que nos honraram o passado!


Olhemos fitos essa Águia altiva,
Essa Águia heráldica e suprema,
Padrão da raça ardente e viva,
Erguendo ao alto o nosso emblema!

Com sacrifício e devoção
Com decisão serena e calma,
Dêmos-lhe o nosso coração!
Dêmos-lhe a fé! 
Dêmos-lhe a alma!

REFRÃO
Avante, avante p'lo Benfica,
Que uma aura triunfante Glorifica!
E vós, ó rapazes, com fogo sagrado,
Honrai agora os ases
Que nos honraram o passado!


Avante, avante p'lo Benfica,
Que uma aura triunfante Glorifica!
E vós, ó rapazes, com fogo sagrado,
Honrai agora os ases
Que nos honraram o passado!


HINO DO SPORT LISBOA E BENFICA
Data: 1928 a 1929

Letra: Félix Bermudes
Música: Alves Coelho (pai)
Interpretação do Orfeão Sport Lisboa e Benfica


Bodas de Ouro: 50 anos
Já em contagem decrescente para as comemorações do meio-século de existência, o director do Jornal "O Benfica" fez uma letra e música brilhantes que foram interpretadas pelo tenor Luís Piçarra, em 11 de Abril de 1953, no II Sarau Artístico, no Pavilhão dos Desportos, uma das inúmeras iniciativas do Clube para angariação de verbas destinadas a poder erguer a "Saudosa Catedral" sem custos onerosos para o futuro do "Glorioso". O brilhantismo da interpretação de Luís Piçarra tornaram o tema muito popular e acarinhado pelos Benfiquistas. Que foi depois a «canção Benfiquista do ano em 1954», nas comemorações do 50.º aniversário, com interpretação do nosso Orfeão, no Coliseu dos Recreios.








Sou do Benfica
E isso me envaidece
Tenho a genica
Que a qualquer engrandece
Sou de um clube lutador
Que na luta com fervor
Nunca encontrou rival
Neste nosso Portugal


REFRÃO

Ser Benfiquista
É ter na alma a chama imensa
Que nos conquista
E leva à palma a luz intensa
Do sol que lá no céu
Risonho vem beijar
Com orgulho muito seu
As camisolas berrantes
Que nos campos a vibrar
São papoilas saltitantes

...........................................
Ser Benfiquista
É ter na alma a chama imensa
Que nos conquista
E leva à palma a luz intensa
Do sol que lá no céu
Risonho vem beijar
Com orgulho muito seu
As camisolas berrantes
Que nos campos a vibrar
São papoilas saltitantes

Que nos campos a vibrar
São papoilas saltitantes


SER BENFIQUISTA
Data: 1953
Letra e Música: Paulino Gomes Júnior
Interpretado pelo tenor Luís Piçarra


Uma canção que ganhou estatuto como um «hino»
Com as características intimistas do Hino, o facto do Benfica ser "aconselhado" a evitar entoá-lo publicamente por muitas vezes, para alguns "cantantes" o "Avante Pelo Benfica" ser alterado para "Avante pelo PêCê" ou "Avante pelo Comunismo", para além do brilhantismo da interpretação de Luís Piçarra bem como a letra simples e identitária entre os Benfiquistas levou muitos a entoá-lo tanto (e com tanto gosto) que passou a "Hino Oficioso". Ainda hoje é assim. Atente-se!



Bodas de Diamante: 75 anos
Excelente letra de Paulino Gomes Júnior (mais uma) e brilhantismo na interpretação de Alexandra (uma Benfiquista de alto a baixo). A estreia foi em 2 de Março de 1979, no Casino Estoril, no jantar comemorativo do 75.º aniversário. Já tive o disco (single em vinil, ou seja, um tema de cada lado) mas perdeu-se "pelas instalações do Benfica", em 1994, quando foi feito um documentário acerca do 90.º aniversário do Clube. Estou a tentar obter o ficheiro audio para o colocar aqui. Não o tendo - mas hei-de ter! - ficam as fotografias da excelente Alexandra e a letra da marcha. Alexandra é uma excelente cantora popular que com outro reportório podia ter feito história e ser na actualidade figura de proa da música portuguesa. Voz tinha ela. E que voz. Além do Enorme Coração Benfiquista!






Carrega Benfica

Alberto Miguéns


NOTA1: Especial agradecimento ao Benfiquista -  José Luís Narciso - que tornou possível ilustrar documentalmente o texto de hoje.

NOTA2: Já escrevi acerca deste assunto - Hino versus Ser Benfiquista - algumas vezes neste blogue. Gosto mais da melodia do «Ser Benfiquista» mas considero a letra do Hino de qualidade literária de um nível supremo - além de que exprime bem como se construiu o Benfiquismo desde 1904, ou seja, dois em um*, o que não é fácil - ou não fosse Félix Bermudes um autor que conseguiu a melhor tradução portuguesa (e não só) do célebre If... (Se...) (clicar)

* aquilo que se considera numa letra..."ter mensagem"

Para quem não quiser clicar (pois o texto publicado em 18 de Julho de 2016 tem outros assuntos incluindo comparações de traduções e o original em inglês) pode ouvir aqui:




NOTA3: Não tendo ainda a gravação da Marcha do Benfica (de 1979) deixo aqui uma interpretação de Alexandra de um tema também de 1979. Agora imaginem esta voz a cantar a letra de Paulino Gomes Júnior musicada por Jorge Machado!



NOTA4: No Centenário (2004) infelizmente paupérrimo em iniciativas - então comparado com outros nossos aniversários foi de uma pobreza inacreditável (e eu sei como sofreu com isso o saudoso Fialho Gouveia) - o Clube não soube incentivar os artistas de modo a criar uma canção popular. Eu lembro-me de propor que se contactassem alguns dos cantautores portugueses mais criativos também adeptos do Clube - Carlos Alberto Moniz, Paulo de Carvalho e Fernando Tordo, por exemplo - para darem um novo arranjo ao Hino do Clube tornando-o mais "espectacular" em termos de ritmo/melodia (vocês leitores do blogue percebem o que eu quero dizer, pois de música nada sei!) Mandaram-me dar uma volta. Aliás foi mais o habitual portuguesMENTE: nim! Ou seja, foi-me dito que iam contactar, mas ainda espero resposta...



NOTA5: De 2004 restou a Sinfonia criada pelo maestro António Victorino d'Almeida que apenas deve ter sido exibida publicamente na sua estreia, em 19 de Setembro de 2005, no Coliseu dos Recreios. Felizmente posso dizer. Estive lá! Lá ou em Sol menor, pois foi à noite (21 horas)! Encontrei apenas um excerto (o primeiro - também o mais sublime - dos quatro andamentos, num total de 28 minutos: 7:12, 8:36, 5:45 e 6:30) apesar de ter comprado o CD com a Sinfonia Completa como é óbvio. Como ouvinte até tem momentos brilhantes. O maestro com pouquíssima obra (opus) editada em discos/CD's até se esmerou para com o Benfica. É apenas a 21.ª obra! Tendo em conta o pouco que conheço  da obra dele até fiquei agradavelmente surpreendido! Mas eu também sou pouco especializado em música. Com dificuldade distingo uma martelada de uma pianada!

5 comentários Blogger
comentários Facebook
  1. Para estes momentos conturbados, ressacados e mal dormidos, é muito apropriada esta bela postadela.
    Ouvi todos os hinos e odes, completada com a prosa da pessoa que mais sabe da gloriosa história do nosso Gloriosíssimo clube..
    Fiquei mais revigorado com este balsamo!!!

    A propósito do nosso primeiro hino AVANTE BENFICA, a sua proibição pelo Estado Novo é esclarecedora de quem foi clube do regime...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mais do que a proibição durante o regime, é a sua composição e aprovação durante o mesmo. Não esquecer que o regime é implantado em 1926, apesar de ser com a Constituição de 33 (acho) que ganha o nome de Estado Novo e o figurino político que passou para a História.

      Eliminar
  2. alerta vermelho1/2/17 03:08

    O culto do BENFIQUISMO está a perder-se! Hoje o clube está nas mãos de vendilhões que querem é fazer negociatas, e se for preciso que se danem os títulos, que se dane o futuro, que se dane a mistica e tudo o mais! Estou preocupado! Não gosto, e não aprovo!

    ResponderEliminar
  3. Bom dia Alberto. Sobre este assunto, enviei um email

    Saudações TRIGloriosas.

    ResponderEliminar
  4. Do centenário sobrou uma música que me agrada muitíssimo:
    https://youtu.be/LCzUMsylXV4

    ResponderEliminar